segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Convite


Você é nosso(a) convidado(a) para a leitura dramatizada do texto "A Lição", de Ionesco, dirigida por Mário Sousa, no próximo dia 26/10, segunda-feira, às 19h, no Salão Nobre do Teatro Municipal, no Centro de Niterói.




A Lição, de Ionesco, no Ciclo de Leitura Dramatizada, no Teatro Municipal

O jornalista, professor e diretor universitário de Teatro e Jornalismo, Mário Sousa, dirige a peça " A lição", de Eugene Yonesco, a última da série do Ciclo de Leitura Dramatizada, no dia 26 de outubro, às 19h, na Salão Nobre do Teatro Municipal de Niterói. O elenco é formado por Cristina Fracho, Carlos Fracho e Leandro da Matta
O texto

A dificuldade de comunicação por parte das pessoas no decorrer dos tempos e o cada vez menos entendimento entre elas é o aspecto dominante da peça A Lição. Trata-se de um texto intemporal que nos remete para um grande problema atual e de todos os tempos, de uma forma leve em que um professor e uma aluna levam até aos extremos uma lição em que tudo é dito e nada se aprende.

Ionesco, o ícone do Teatro do Absurdo

Eugene Ionesco, filho de um advogado, foi batizado na religião ortodoxa, à qual pertenceu durante toda a vida. Ainda criança mudou-se com a família para Paris, onde seu pai tornou-se catedrático em leis. Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, seu pai voltou para a Romênia, deixando Eugene e sua irmã aos cuidados da mãe. Entre 1917 e 1919, Eugene Ionesco morou em La Chapelle Anthenaise, cuidando de sua saúde frágil.

Em 1922, voltou a Bucareste para viver com seu pai. Lá fez seus estudos e começou a trabalhar num banco, em 1926. Ionesco cursou a faculdade de francês na Universidade de Bucareste e colaborou com diversos revistas literárias romenas. Em 1934 publicou "Nu!" ("Não!"), uma coletânea de artigos e textos que provocou escândalo no meio literário oficial.

Em 1936, Eugene Ionesco casou-se com Rodica Burileano. Passou a trabalhar como professor de francês e como instrutor no Seminário Ortodoxo de Curtea de Argis e depois no Seminário Central de Bucareste. Também foi editor das páginas literárias de diversas revistas e jornais diários.

Dois anos mais tarde, recebeu uma bolsa do governo romeno para estudar literatura francesa em Paris. Durante a Segunda Guerra Mundial, Ionesco passou por dificuldades financeiras, mas conseguiu alguns trabalhos eventuais, trabalhou como revisor e traduziu as obras do poeta romeno Urmoz.

Em 1948 começou a escrever a peça "A Cantora Careca", que estreou em 1950. Esta anti-comédia, plena de surrealismo verbal, foi uma das principais peças do chamado "teatro do absurdo". Seguiram-se várias outras peças, que marcaram o teatro do Século 20, como "A Lição", "As Cadeiras" e "O Novo Inquilino".

Em 1960 estreou sua obra mais conhecida, "O Rinoceronte". Ionesco tornou-se um escritor de prestígio e em 1971 foi admitido na Academia Francesa. Morreu aos 81 anos, em sua residência, e foi enterrado no cemitério de Montparnasse, em Paris.

Serviço
Leitura Dramatizada da peça " A Lição", de Eugene Yonesco
Direção: Mario Sousa
Elenco: Leandro da Matta, Cristina Fracho e Carlos Fracho
Data: 26 de outubro, Segunda-Feira
Hora: 19 horas
Local: Salão Nobre do Teatro Municipal
End: Rua 15 de novembro, 30, Centro de Niterói
Tels: 2620-1624
Entrada Franca
Capacidade: 90 lugares
Classificação etária: livre
Distribuição de 90 senhas meia hora antes do espetáculo

A realização do Ciclo de Leituras Dramatizadas é da Secretaria Municipal de Cultura, Fundação de Arte de Niterói, Coordenação de Teatro e Fórum de Artes Cênicas, com apoio do Teatro Municipal e da Sala Carlos Couto.



--

quinta-feira, 15 de outubro de 2009